SUMINDO AS ESTRELAS, Wagner Martins (Poesia)


SUMINDO AS ESTRELAS

Já não me assusta
a escuridão, o sereno
a nos cercar,
e no breu
virarmos tão comuns,
cada um por si:

o que me assusta
é que nesse breu
raramente alguém
alimenta a fogueira
de bons sentimentos
em tantos corações,
nessa imensidão
de corpos acochados
em suas solidões...

estamos muitos atarefados,
sem tempo
para gerar luz nos caminhos,
sem tempo
para gerar calor humano nesse frio,
sem tempo
até para direcionar um olhar humano
a outro ser humano,

até no céu
estão sumindo as estrelas,
pois brilhavam refletindo
a nossa luz!

- Wagner Martins

2 de maio de 2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário