À Flor das Pétalas Negras, Wagner Martins

À flor das Pétalas Negras
Acessória, a Eva negra:
Gerou o tom de pele
mais resistente
das raças humanas;
rainha do lar,
musa pro seu marido,
heroína pros seus filhos,
brava guerreira nas tribos...
Reinava no seu castelo-tenda
junto à família com garra,
justiça, união e amor.
cabelos afros...
Dele se vangloria,
pois é a sua coroa real.
Até que no ancoradouro
à beira do mar o grande navio atracou:
Os negros por não serem das mesmas tribos
os seus semelhantes subjugavam
assim traíram-se vendendo os seus;
Como Jesus o rei dos judeus
que por trinta moedas de prata
seu discípulo o vendeu.
A menina dos olhos da África,
além de ser traída,
seu valor foi reduzido a um mísero valor...
Enlaçada, depois arrastada,
agredida pra facilitar o sequestro;
tirou do trono
e a lançou nos porões do navio negreiro,
escravizadores arrancaram do paraíso
e nos cúmulos do inferno a largaram.
Levada feito uma folha verde no deserto
dentre ventos áridos;
na tempestade de areia de sofrimento,
aflição, castigo sem motivação...
Furiosas ondas de saudade onde fora capturada,
e a dúvida onde é o destino da sua deportação...
Contra ela se levantaram...
Deixando rastros:
Cadáveres, sangue, e canção
inspirada na sua dolorosa crucificação...
Deu à luz ali;
Um ser tão pequeno
em meio à tortura a fez feliz!...
Amamentando, sorrindo e chorando
nua estava assim...
Uma com bebê nos braços no ato insano
ou de heroísmo pula no mar;
se despede do sofrimento
com uma audaz frase a bradar:
- Eu e meu filho não seremos mais seus bonecos
para você brincar!
- Terra à vista!...
Terra à vista!...
Anunciaram.
Assim como os egípcios
trouxeram a escravidão aos hebreus;
colonizadores as recepcionaram
no país com chicote que cortava a carne,
porém a dor as fizeram amar mais a sua origem,
fortificou o caráter;
enquanto fazendeiros as mantiveram
nas senzalas
pensando que iam produzir
mais mão de obra conformada;
produziram mães heroínas
que pra não gerarem
escravos
os filhos matavam.
- Desprezam a minha capacidade
por causa da minha cor
sinhás, senhorios!?
Hum. Então por que
saboreia a culinária africana,
E acha divino!?
500 anos passaram
e nada mudou...
no televisor,
sempre me resta
o papel do personagem depressivo:
Fazem piadas do nosso aspecto,
ou exibem uma negra,
chamada por eles de mulata,
sambando sensual,
como se fosse artigo de vitrine,
e muitos aceitam tudo isso
achando honroso, legal!...
Graças que nem todas de nós,
Não permite em serem classificadas
nada a mais do que abjeto sexual!
Graças que nem todas de nós,
Não acham natural ver as das suas
Se achando uma musa
Em serem humilhada com o termo mulata!
As mulheres de cor aceitável
lutam somente contra o machismo;
e as negras duelam
pra vencer o machismo,
o preconceito, o racismo;
pois não há carta de alforria
que me previna a respeito disso.
500 anos se passaram
e nada mudou...
A negra ainda luta
contra a exclusão social,
E zela para não ser mais uma
nas superlotações em prisões.
Não existe lei Maria da Penha
que me poupe,
da posição da lei que me limita,
e incentiva a frase:
(Fora macacos cotistas!)
Nas hitleristas faculdades!...
O sistema a me limitou vagas,
Restringi a minha independência,
Mas quebro o protocolo,
essa ele não faz raciocinar como criada!
Pelo processo branqueador
não sou a beleza padrão,
mas pra passar o que passei
sou a personificação da precisão;
o aço das novas correntes da mídia
não aprisiona minha mente,
não me compra
e não me faz mostrar os dentes;
não me faz adulterar
minha identidade.
Por aqui a África não vale,
só padrão europeu:
Diz que a branca é bonita,
a feia aqui sou eu!
A menina alienada
tem vergonha do seu cabelo crespo;
se nega e o alisa,
porém olha o nariz:
foi mãe África, negra, que deu.
Não siga as cegas á multidão,
Não esforce se adulterando,
Para ser mais uma amostra
sem conteúdo, não, não!...
nunca será melhor
ter cabelo liso, nariz fino.
Ei Professor me fale,
dos meus líderes,
meus mártires;
chega de enfiar
o eurocentrismo em nossas mentes.
Quero saber da outra parte da história
dos triunfos dos meus ancestrais;
Sei que ela é feita de perdas
como também
de muitas glórias
ainda ocultas infelizmente!
Tudo que contais
já sei desde inicio,
mais fale sobre:
Guerreira Dandara,
Rainha Ginga...
Fale sobre CHIQUINHA GONZAGA,
BENEDITA DA SILVA,
RUTH DE SOUZA,
e tantas outras guerreiras que eu nunca ouvi...
Sempre sou a malvista
Tratada como se eu fosse diferente
nesse jardim da miscigenação em terra brasileira
mas não poderão arrancar
o orgulho de ser à flor das pétalas negras.
Mulheres negras, suas células foram revigoradas,
Para que nenhuma navalha venha vos mata:
O racismo, a perseguição, o eurocentrismo,
Fere, mas mulheres negras mantenham-se triunfante, contudo isso!... (2x)

- Wagner Martins

Traduções: Cotistas: Estudantes que se beneficiam das politicas afirmativas, como: Cotas para negros, índios, pardos... ou para estudantes de escolas públicas etc...
Hitleristas: É sinônimo de nazista.
Apartheid: “Separação” regime de segregação racial.
Eurocentrismo: A ideia de que a Europa é o centro da cultura mundial. Kevlar: é uma fibra sintética de aramida muito resistente e leve usada para confeccionar roupas à prova de balas.



3 comentários:

  1. Estive aqui e te li..
    Deixo-lhe abraços.
    Feliz noite.

    ResponderExcluir
  2. MUITO LINDA OBRIGADA POR ME PRESENTEAR COM SUAS BELAS PALAVRAS

    ResponderExcluir